22.2 C
Barra de São Francisco
90

Reviravolta Judicial: Tribunal de Justiça Derruba Liminar contra Advogados em Nova Venécia

Date:

Compartilhe:

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) derrubou uma liminar que visava 11 advogados em Nova Venécia, em uma decisão monocrática que ainda passará por análise colegiada. O desembargador Júlio César Costa de Oliveira, da 1ª Câmara Cível do TJES, anulou a decisão provisória que interrompia o pagamento mensal de valores a advogados locais. Esta medida tinha sido tomada após o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) acusar os advogados de cobrarem valores excessivos de pessoas vulneráveis.

A decisão de primeira instância exigia a interrupção das cobranças para pessoas com renda de até R$ 2.824, sob pena de multa de R$ 10 mil. No entanto, quatro dos advogados recorreram ao TJES e tiveram sucesso, com o tribunal barrando as medidas. O desembargador relator do recurso argumentou que não há evidências de cooperação entre os advogados para cometer crimes e que a denúncia não especificava as ações ilegais de cada advogado.

Os advogados que recorreram afirmam no recurso demonstrar equívocos na ação civil pública e na decisão anterior do magistrado Maxon Wander Monteiro, alegando que estas tentavam criminalizar práticas legais e comuns na advocacia previdenciária. O MPES informou que avalia se irá interpor recurso.

A ação movida pelo MPES detalhou que os advogados envolvidos retardavam o ajuizamento de ações, supostamente para obter ganhos maiores sobre os honorários contratuais. Muitas vezes, as demandas sequer eram ajuizadas mesmo após meses ou anos da contratação dos serviços advocatícios, prejudicando os contratantes.

Além disso, a Justiça chegou a determinar a redução de honorários em alguns casos individuais, porém, alguns advogados recebiam os valores por fora, de forma não declarada. A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Espírito Santo (OAB-ES) repudiou o que chamou de “criminalização da advocacia previdenciária” e criticou a exposição vexatória da classe. A OAB defendeu o direito à remuneração dos advogados e manifestou-se contrária ao enriquecimento ilícito.

Enquanto isso, o Ministério Público de Nova Venécia ainda aguarda ser oficialmente informado da decisão para decidir sobre possíveis recursos ao TJES. Esta reviravolta judicial evidencia a complexidade das questões envolvendo práticas advocatícias e a proteção dos direitos das pessoas vulneráveis.

-publicidade-spot_img

━ MAIS LINKS

Ocupação do MST em São Mateus: Jornada pela Reforma Agrária em Destaque

Ocupação do MST em São Mateus: Jornada pela Reforma Agrária em Destaque Na madrugada da última quarta-feira (17), mais de 200 famílias vinculadas ao...

Buscas Intensas em Pinheiros Continuam sem Resultados

Buscas Intensas em Pinheiros Continuam sem Resultados O desaparecimento da jovem Samanta Teixeira de Oliveira Teodoro, de apenas 14 anos, tem mobilizado equipes de...

Correios divulga cargos para novo concurso público; veja o cronograma

Os Correios divulgaram nesta terça-feira (16) novos detalhes do concurso público da estatal. Em setembro, a empresa irá publicar um edital de nível médio,...

Suspeito Preso por Participação na Morte de Jovem em Marilândia: Detalhes do Caso

Suspeito Preso por Participação na Morte de Jovem em Marilândia: Detalhes do Caso Introdução: A investigação sobre o desaparecimento e morte da jovem Thamyris...

Justiça determina prisão de pai e filho suspeitos de homicídio em Montanha: Entenda o caso

Justiça determina prisão de pai e filho suspeitos de homicídio em Montanha: Entenda o caso Introdução: A Justiça expediu mandado de prisão para Itamar...

Deixe um Comentário

Por favor, insira seu comentário!
Seu comentário está aguardando moderação