Hospital de Ecoporanga emite Nota de Esclarecimento após polêmica envolvendo médico

A Fundação Médico Assistencial do Trabalhador Rural de Ecoporanga – FUMATRE, emitiu uma Nota de Esclarecimento referente ao desligamento do médico Marlus Geizer.

O desligamento do médico gerou uma reação dos moradores de Ecoporanga após uma publicação de um site da cidade dizendo que Dr. Marlus foi demitido.

Confira na íntegra a Nota de Esclarecimento.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Fundação Médico Assistencial do Trabalhador Rural de Ecoporanga – FUMATRE, por intermédio de sua Diretoria devidamente constituída conforme preleciona o Estatuto próprio, bem como sua Ata, utiliza-se do presente instrumento para prestar esclarecimento à população ecoporanguense face ao recente acontecimento: demissão de um médico que prestava serviços junto à referida instituição, amplamente noticiado nas redes sociais de maneira distorcida da verdade.

Diante disso e em mais clara demonstração de boa-fé e respeito com a sociedade ecoporanguense, a FUMATRE esclarece que:

Em momento algum houve a versão apresentada nas redes sociais de “demissão”, já que o profissional ao qual se referem NUNCA fez parte (do quadro de funcionários dessa instituição) dos quadros efetivos daquela instituição. Neste ponto, vale destacar que aquele profissional, na verdade, se tratava de um prestador de serviços na condição de médico plantonista, lotado no Pronto Socorro, como acontece com diversos outros profissionais.

Aos médicos plantonistas, compete ao setor financeiro da instituição de promover o pagamento de acordo com os plantões concluídos, em uma escala de horário pré-programada pela instituição, atendendo todos os preceitos legais bem como orientações do Conselho Municipal de Saúde.

Aos plantonistas, (na função de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, e ou qualquer outro prestador de serviços de natureza autônoma), não há o que se falar em demissão, mas no máximo em (descontinuidade na prestação dos serviços ofertados a instituição), afastamento da instituição, pela natureza da contratação.

Externamos ainda que, (a decisão de não continuar contando com a colaboração daquele profissional em questão foi uma decisão da Diretoria da instituição) afastamento daquele profissional foi uma decisão em conjunto com os membros da Diretoria da instituição, por um acúmulo de questões administrativas, dentre as quais a incompatibilidade de horário e, não havendo nenhum viés político (Poder Executivo e ou Poder Legislativo), tampouco perseguição à pessoa do profissional.

Por derradeiro, esclarecemos que a ação foi comedida, de modo que o atendimento à população não ficará prejudicado.

Ecoporanga-ES, 08 de agosto de 2018

Atenciosamente,

Diretoria do Hospital FUMATRE