Menino de 3 anos morre após ser picado por escorpião em Barra de São Francisco

O garoto francisquense Kauã Ribeiro da Silva, de 3 anos, após se picado por escorpião no quintal de sua casa, no bairro Vila Santa Isabel, em Barra de São Francisco.

 Kauã estava internado desde sexta-feira no Hospital Dr. Alceu Melgaço Filho, onde chegou com taquicardia e falta de ar. Após tomar antiescorpiônico e antialérgico,  Kauã ficou no leito semi-intensivo. Após solicitação de um pediatra, ele foi transferida via UTI móvel para o Hospital Infantil, onde deu entrada às 19h de sexta-feira, mas não resistiu e veio a óbito na madrugada de sábado(2).

Por meio de nota, prefeitura descarta surto de escorpiões no município 

“Referente à criança que lamentavelmente veio a óbito após ser picada por escorpião, socorrida para o Hospital Dr. Alceu Melgaço Filho (aqui no município), e posteriormente encaminhada para uma unidade de saúde na capital Vitória, a Prefeitura de Barra de São Francisco, representada na pessoa do prefeito Alencar Marim, externa solidariedade e forças aos familiares e amigos.

Por meio da Coordenadora de Vigilância em Saúde, Solange Maria Barbosa, a prefeitura informa que: sempre houve registros de picadas de escorpião no município de Barra de São Francisco, por isso, de acordo com as possibilidades, procura impedir o acúmulo de entulhos e pede aos munícipes que intensifiquem o cuidado com os jardins e quintais.

Ainda de acordo com a coordenadora, a presença de animais peçonhentos se dá com maior frequência em locais próximos a Áreas de Preservação Permanente (APP), que é o caso do bairro Vila Santa Isabel aonde a criança residia, e em áreas com maior umidade e acúmulo de pedras e madeiras.

A Coordenadora informa também que é de responsabilidade do município manter o estoque de soro do hospital, porém, é o Estado quem determina a quantidade de ampolas a serem disponibilizadas pela regional, que fica em São Mateus (Norte do Estado) por semana a Barra de São Francisco. “O município recebe 12 ampolas semanais para atender casos registrados aqui no município e em municípios vizinhos – que são trazidos para o Hospital Dr. Alceu Melgaço Filho, como, por exemplo, Água Doce do Norte, Vila Pavão, Ecoporanga e Águia Branca. Não há surto no município. E, em contato com a enfermeira que estava de plantão no hospital quando a criança chegou, ela me disse que a aplicação do soro não demorou 20 minutos”, esclareceu Solange.