Vítimas do acidente em Colatina são identificadas. Pai, mãe e avó estão entre os mortos

Cinco pessoas morreram e outras duas ficaram feridas em um grave acidente ocorrido na manhã desta terça-feira (1º) em Colatina. A batida envolveu um Corolla, placas OYG-6510, e um Celta, placas MTE-1673.

De acordo com informações do 8º Batalhão da Polícia Militar, as vítimas Maria Marçal dos Anjos, Juraci Fernandes Mendes, Edir Caetano dos Anjos e Bruna Oliveira Souza eram passageiros do Celta.

Juraci e Edir eram pais do motorista Dyacy Caetano, Bruna era namorada do jovem e Maria, mãe de Edir. Segundo a Polícia Militar, Dyacy conduzia o veículo sem Carteira Nacional de Habilitação.

Já Marcelo Pereira Ramos estava no banco do carona do Corolla e também morreu.

Juraci Fernandes Mendes é uma das vítimas

Os condutores dos dois veículos tiveram ferimentos graves e foram encaminhados para o hospital Silvio Avidos, em Colatina. Dyacy Fernandes Caetano era o motorista do Celta. Após o acidente, ele chegou a ficar preso nas ferragens. Posteriormente, precisou ser transferido para um hospital particular da cidade. Quem conduzia o Corolla era Mateus Pereira de Oliveira, que teve lesões graves.

Segundo informações da polícia, no momento do acidente havia uma forte neblina na região. Devido à situação dos feridos, não foi possível realizar o teste do etilômetro. Após finalizar o atendimento à ocorrência, os veículos um dos veículos foi liberado para um responsável e o outro foi removido com o auxílio de um guincho.

Edir Caetano dos Anjos está entre as vítimas

A polícia também informou que após consulta no sistema, foi verificado que o condutor do Celta, Daycy Fernandes Caetano, não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Segundo informações, medidas devidas serão tomadas pelo risco de dirigir sem portar o documento e também ao dono do veículo.

A identificação das vítimas e feridos foi realizada após a chegada de familiares, que encontraram pertences e documentos das mesmas. Para finalização da ocorrência, as equipes tentaram falar com os sobreviventes, mas não foi possível, devido ao atendimento médico.

 

Fonte: Folha Vitória